Reação familiar ao meu novo estilo de vida!

AMAP
AMAP de Gaia

Quando decidi fazer a mudança para o novo regime alimentar sem carnes, fiz de um dia para o outro. A maior parte das pessoas fá-lo gradualmente, mas para mim não fazia sentido.

Na altura ainda morava com os meus pais e com o meu irmão mais novo, 4 anos (Nuno Cramês).

Lembro-me de abrir o frigorifico e estar por minha conta! Não fazia a mínima ideia do que iria cozinhar, e como lá em casa quem cozinhava era a minha mãe, limitei-me a comer os acompanhamentos.

Era normal as leguminosas abundarem às refeições, por isso, a proteína estava presente em quase tudo.

Mas ainda não vos contei a reação dos meus pais e irmão: não houve. Ninguém levou a sério. Como era uma grande apreciadora de carne, não acreditaram que eu fosse muito longe. O meu irmão ainda brincou algumas vezes, com um “bifinho” mal passado à minha frente, mas eu mantive-me firme!!

mary e brother

Mas a parte mais engraçada desta história vem logo a seguir. Um mês depois de eu me ter tornado vegetariana o meu irmão tomou a mesma opção. Também foi um ato de identificação e que me ajudou a ganhar força em casa. Já éramos dois!!

Só uma nota: se eu era apreciadora de carnes, o meu irmão era 10 vezes mais! Nada faria crer que isso iria acontecer e eu não o tentei convencer de nada.

Como o caso estava a ficar complicado no reino Cramês, a minha mãe, Margarida de seu nome, e a cozinheira oficial teve de tomar medidas. Pelo meu pai, Manuel, estava sempre tudo bem, desde que não fosse ele a cozinhar!

familia

Então eis que o mais inesperado acontece: os mais pais gostaram da ideia e a minha mãe rapidamente, sem ver receitas em lado algum, adaptou o que sabia fazer mas sem carnes.

Posso-vos dizer que tinha amigos a fazerem fila para virem provar as iguarias da minha mãe. Aliás isso ainda hoje acontece!!!

Ela não complicou e manteve o tempero português, mas sem as carnes, fazendo belas feijoadas (de vários tipos), empadão, bacalhau com natas sem bacalhau, alho francês à braz, alheira, almôndegas etc!!! Enfim uma lista imensa de pratos, que um dia partilharei aqui .

E outra coisa fantástica, sem tofu, sem seitan e sem soja. Tudo com o que comemos habitualmente em Portugal. Mais tarde refinou alguns pratos e introduziu estes ingredientes, mas pontualmente.

E foi assim a minha história feliz, em que uma jovem de 24 anos, “converte” pais e irmão, para uma nova alimentação e que dura até hoje!

O segredo para isto ter corrido tão bem? Bom, ter pais civilizados ajuda bastante, mas há uma coisa fundamental, que é não convencer ninguém. É muito importante termos as nossas convicções, mas o exemplo é sempre a melhor forma de nos respeitarem e até de influenciarmos os outros, sem que estes se sintam manipulados!

No próximo artigo darei algumas dicas, de como lidar com amigos e familiares difíceis.

2 Comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de email nunca será partilhado com terceiros.

Vocês pode usar estes tags e atributos em HTML : <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Olá

Chamo-me Maria e vivo no Porto, em Portugal.
Este blog é dedicado ao meu estilo de vida e a tudo aquilo que me inspira!
Tornar-me vegetariana em Janeiro de 2002, mudou muito a minha vida e ainda hoje é um aprendizado constante!

Segue-me no instagram!.